A Farsa do Impeachment de Trump

A esquerda é uma péssima perdedora. Sempre que seus projetos são reprovados nas urnas, eles se dedicam a atrapalhar o próximo governante sem se preocupar com o bem-estar do país.

Para eles, é mais importante retornar ao poder do que ajudar seu adversário a melhorar a vida dos cidadãos. Na verdade, eles se empenham para que a população sofra bastante para que esta deseje que a esquerda retorne ao poder nas próximas eleições.

O problema é que as vezes o adversário faz um trabalho tão bom, que é quase impossível desacreditá-lo perante ao público. Donald Trump por exemplo, tem feito um excelente governo, movimentando uma economia estagnada (que muitos diziam que ele iria quebrar), colocando os níveis de desemprego nos patamares mais baixos da história, devolvendo os EUA a uma posição de protagonismo mundial além de se manter fiel aos valores de liberdade e proteção à vida sob os quais a sociedade americana foi erguida.

O que fazer para prejudicar um adversário desses? Mentir sem parar, ora. Depois de gastar milhões de dólares do contribuinte fingindo investigar uma suposta influência russa na eleição de Trump (sem conseguir achar nada), os democratas agora apostam numa suposta relação “quid pro quo” (pedir algo em troca) do presidente Americano com o presidente Ucraniano.

Segundo seus adversários, Trump teria condicionado um encontro com o presidente da Ucrânia a uma investigação sobre a mal explicadíssima contratação do filho de Joe Biden (rival de Trump) por uma empresa Ucraniana por uma salário altíssimo na mesma época em que Biden era vice-presidente dos EUA. Ou seja, querem investigar Trump por ter feito o que Joe Biden comprovadamente fez, pedir algo em troca. Biden condicionou uma ajuda do governo americano à contratação de seu filho. Uma falta de vergonha que só poderia vir da esquerda decrépita americana.

É uma falcatrua política da pior espécie. Os Democratas sabem que esse impeachment não tem a menor chance de prosperar (os republicanos têm a maioria no Senado, onde o julgamento ocorre). No entanto eles não tem outra alternativa. Seus candidatos para 2020 são sinônimos de fracasso. Restam a eles banalizar o impeachment para tentar retirar Trump ou ao menos provocar um desgaste para que ele perca apoio na próxima eleição.

Como tudo que a esquerda faz, isso também é um fiasco. O apoio popular ao impeachment não para de cair e a arrecadação de Trump para a próxima campanha não para de crescer, superando em muito seus rivais democratas. Por mais que nossa imprensa se dedique a ventilar polêmicas, a verdade é que Trump não será derrubado, se fortalecerá e será reeleito em 2020. Anos difíceis para quem não fez as pazes com a realidade.

Frederico Rodrigues

Escritor, Tradutor e Comentarista Político. Membro da Direita Goiás e Conservadores Pela Liberdade.
Colunista do Jornal da Cidade Online e Graduado em Direito.
Nascido nos anos 80, criado nos anos 90. 

Apoie a independência do nosso trabalho. Colabore com qualquer valor acessando: apoia.se/fred_rodrigues

Comentários

Mais em Internacional