Os 30 anos do Massacre da Praça da Paz

A razão pela qual nunca devemos deixar a esquerda à vontade

Os jovens esquerdistas politicamente conscientes de hoje, (que adoram desfilar em protestos e em shoppings com suas camisetas estampadas com a foice e o martelo) não sabem, mas em 1989, dezenas de milhares de jovens estudantes chineses, cansados da opressão e do totalitarismo Comunista, foram as ruas protestar. Durante várias noites, esses jovens imbuídos de uma causa nobre e justa, se reuniam na Praça Tiananmen para pedir pacificamente que o Governo Comunista Chinês deixasse de ser, digamos, Comunista. O Partido Comunista Chinês até tolerou as manifestações por alguns meses, na esperança de que perdessem força. Mas isso não aconteceu. Pelo contrário, as manifestações expandiram de Pequim para outras 400 cidades chinesas e centenas de milhares de pessoas. Pela primeira vez desde a revolução de Mao, a hegemonia política da esquerda estava ameaçada.

O governo comunista decidiu agir, tachou as manifestações de movimentos reacionários (contra-revolucionários) e despachou o Exército Popular de Libertação para lidar com os manifestantes. Os estudantes pouco puderam fazer contra tanques e fuzis. Em poucas horas o Exército Chinês, sob ordem dos Comunistas, haviam matado cerca de 5000 pessoas. As notícias sobre o massacre foram quase todas censuradas pelos Comunistas, pouquíssimas registros conseguiram chegar ao público, como o hoje icônico momento em que um estudante enfrenta uma fileira de tanques (momentos antes do ataque começar). Esse massacre, que em poucos minutos matou 10 vezes mais do que a "ditadura" brasileira matou em 20 anos, destruiu o Movimento por Democracia Chinês e consolidou os Comunistas no poder, tornando-os intocáveis nos dias de hoje. Some-se isso à ajuda dos presidentes globalistas americanos que transformaram a China numa enorme potência econômica e temos o totalitarismo perfeito. Não há espaço para democracia na China.

Isso não aconteceu há 200 ou 100 anos, aconteceu há apenas 30. E o fato de que hoje vemos estudantes passeando com camisetas que enaltecem os assassinos daqueles estudantes de outrora, mostra que nunca devemos deixar de vigiar a esquerda. Nunca devemos esquecer os milhões de mortos que as idéias socialistas trouxeram sob o pretexto de buscar a igualdade.

Por algum motivo, banimos o Nazismo mas deixamos o Comunismo prosperar entre nós. A história nos mostra que não há diferença entre eles.

Frederico Rodrigues

Escritor, Tradutor e Comentarista Político. Membro da Direita Goiás e Conservadores Pela Liberdade.
Colunista do Jornal da Cidade Online e Graduado em Direito.
Nascido nos anos 80, criado nos anos 90. 

Comentários