Vitória da Vida - Trump retira recursos de Agência de Aborto

Trump retira recursos federais da maior agência de aborto dos EUA

O aborto nos EUA é liberado para praticamente qualquer situação, incluindo "falta de vontade de ter um filho". Sabendo disso, agências como a Planned Parenthood, se especializaram em banalizá-lo e promover a matança indiscriminada de vidas inocentes sob a desculpa espúria de promover o bem estar das mulheres. É estimado que a agência já tinha acabado com 7.2 milhões de vidas desde 1973 (320 mil apenas ano passado). Para efeitos de comparação, em 2018, 113 pessoas morreram em ataques de atiradores. Abortos matam quase 3 mil vezes mais do que os ataques que a esquerda insiste serem uma epidemia incontrolável.

O que poucos sabem, é que o caso Roe vs Wade (cuja sentença legalizou o aborto nos EUA) foi todo baseado numa mentira. Jane Roe foi convencida por duas advogadas a mentir que havia sido estuprada, pois era o único meio de conseguir um aborto legal na corte. Os advogados utilizaram o caso de Jane para empurrar uma ação que legalizava o aborto quase que de forma irrestrita em todo o país.

Anos depois, Jane (cujo nome verdadeiro era Norma McCorvey) se arrependeu ao ver que sua mentira foi utilizada para legalizar a matança de inocentes, admitiu que nunca foi estuprada e se tornou uma ativista pró-vida. Lutou contra o aborto até sua morte em 2017.

Trump, conforme prometido em campanha, vem atuando para corrigir este retrocesso. Dificultando cada vez mais que entidades abortistas tenham acesso ao dinheiro do contribuinte. A Planned Parenthood já foi pega em um escândalo quando foi descoberta que ela vendia pedaços dos corpos dos fetos que abortava. A agência também tem uma ligação forte com o racismo e foca suas políticas abortistas na população negra. Não há espaço numa sociedade civilizada para entidades deste tipo.

Frederico Rodrigues

Escritor, Tradutor e Comentarista Político. Membro da Direita Goiás e Conservadores Pela Liberdade.
Colunista do Jornal da Cidade Online e Graduado em Direito.
Nascido nos anos 80, criado nos anos 90. 

Mais de Frederico Rodrigues

Comentários